Noise Removal – Arte ou um trabalho de paciência?


Já se deparou com um ruído chato, impossível de controlar quando está a captar diálogos para um filme ou série, ou chegou ao estúdio e reparou nos monitores que havia um resíduo que quem captou deixou passar?

Aqui vos deixo uma técnica simples para atenuar o resíduo captado, e duas ferramentas muito úteis para os editores de som.

Imagine a seguinte situação:
“Um local onde existam geradores ou outras fontes como luzes florescentes emitindo uma frequência que vai entrar na gravação mas que você tem pouco, ou nenhum controle sobre o ruído.”
Para solucionar esse problema podemos imaginar que na post produção eles consigam resolver, com aqueles plugins que fazem autentica magia, mas que na maioria das vezes faz com que a característica do som se altere, ou simplesmente, posso gravar esse resíduo em total silêncio para ficar com uma amostra para que os amigos da post produção consigam atenuar o ruído simplesmente invertendo a fase, ou polaridade, da amostra fazendo com que o resíduo fique atenuado e na maioria dos casos simplesmente deixar de existir.

Para essa técnica ser eficaz é necessário que a amplitude da amostra seja a mesma que o resíduo da captação original.
Mas se na post produção não houver essa hipótese o melhor mesmo é recorrer a um broadband noise removal e literalmente “caçar” a frequência em questão para elimina-la.

A minha escolha pessoal cai no reNovator da Algorithmix (http://www.algorithmix.com/en/renovator.htm) e no RX2 da iZotp (http://www.izotope.com/products/audio/rx/).
Em baixo deixo um vídeo com a cortesia da equipa da CENTITONE Audio Services que explicam um pouco mais sobre a arte do restauro de áudio.

Texto por Luiz Henrique Moreira
Sound Designer/ Re-Recording Mixer

SoundWorks Collection: Marie Ebbing & Jonathon Stevens – Advanced Noise Removal from Michael Coleman on Vimeo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *